Uma breve introdução aos fortes de Copacabana e Leme

You Bet Your Life: Secret Word - Street / Hand / Picture (Junho 2019).

Anonim

Em ambas as extremidades da extensa praia de Copacabana estão dois fortes que desempenham um papel crucial na história militar do Brasil; ao sul fica o Forte de Copacabana, e ao norte fica o Forte do Leme, oficialmente conhecido como Forte Duque de Caxias. Embora o Forte de Copacabana ainda seja uma base militar para o atual exército brasileiro, a posição neutra do Brasil nos assuntos mundiais faz dos fortes duas atrações turísticas imperdíveis.

Forte de Copacabana

O Forte de Copacabana atua como defesa costeira e base militar para algumas da Marinha do Brasil, além de abrigar o Museu Histórico do Exército e a Confeitaria Colombo, um restaurante aberto todo o dia com decoração em estilo art nouveau e um cardápio regal.. Sua finalidade como uma base do exército parece mundos além das vistas de tirar o fôlego sobre a baía de Copacabana, e seu ponto de vista para detectar tartarugas no mar abaixo. No entanto, os jovens soldados que vagam ou correm para cima e para baixo no calçadão de Copacabana servem como um lembrete de que há um exército ativo morando atrás das muralhas do forte.

O forte surgiu em 1908, quando o exército removeu a capela existente com sua réplica da Virgem de Copacabana, padroeira da Bolívia, e construiu sobre suas fundações uma moderna defesa costeira para proteger a praia e a entrada intrusiva no Rio. Foi protegida e protegida por armas e armas poderosas, que inesperadamente causaram um problema potencialmente catastrófico em 1922. Neste ano, houve uma revolta no forte e os oficiais que estavam dentro transformaram as armas no Rio de Janeiro. No entanto, o governo foi rápido em reagir e enviou os navios de guerra São Paulo e Minas Gereas para neutralizar o problema. O navio paulista bombardeou o forte fazendo pelo menos dois impactos significativos, o suficiente para o forte se render meia hora depois.

Atualmente, o forte é aberto ao público entre as terças e os domingos. Na entrada, um guarda está no mesmo uniforme que era obrigatório quando o forte foi inaugurado em 1914. O museu tem várias exposições de diferentes períodos e eventos na história do exército brasileiro, embora de forma um tanto interessante, não há menção do Brasil envolvimento na Primeira Guerra Mundial e pouca menção de sua participação na Segunda Guerra Mundial. Ao lado do museu fica a Confeitaria Colombo, um restaurante histórico com assentos por dentro e por fora. Chegue cedo para conseguir um lugar e peça a opção de café da manhã para dois para aproveitar enquanto admira a longa praia e o vasto oceano.

Forte de Copacabana, Copacabana, Rio de Janeiro

Forte do Leme

No outro extremo da praia fica o Forte do Leme, empoleirado no alto do Morro do Leme. Embora oficialmente conhecido como Forte Duques de Caxias, é comumente referido entre turistas e expatriados como simplesmente o Forte do Leme. Essa ligeira confusão de nomes tem sido um tema recorrente na história do forte, com várias mudanças de nome nas últimas décadas.

O forte surgiu em 1776 quando o vice-rei D. Luís de Almeida Portugal recebeu a ordem de construir um forte para proteger a parte sul do Rio contra ataques costeiros, em particular a ameaça atual de uma invasão espanhola. O forte foi construído e recebeu o nome de Forte da Espia ou Forte da Vigia, dependendo de com quem você falou naquela época. A Guerra da Independência do Brasil entre 1822 e 1825 levou à fortificação do forte e foi fortalecida e armada por cinco grandes peças de ferro. Após a independência do Brasil, o forte foi renomeado Forte do Leme (Forte do Leme).

O forte atual

A estrutura e a forma do forte atual foram desenvolvidas em 1913, ao mesmo tempo em que a construção do Forte de Copacabana estava chegando ao fim. O projeto foi enviado para a Alemanha, embora grandes obstáculos como a Guerra Mundial tenham atrasado sua construção. Quando o forte foi finalmente concluído, sofreu outra mudança de nome para o seu atual nome, Forte Duque de Caxias, em 1935, que era em homenagem ao patrono do exército, Luís Alves de Lima e Silva, O Duque de Caxias (o Duque de Caxias). Para facilidade de referência, no entanto, ainda é conhecido como o nome que recebeu após a independência do Brasil.

O forte permaneceu vigilante durante a Segunda Guerra Mundial e estava pronto para ataques. Em fevereiro de 1943, um vigia no Forte do Leme soou o alarme para avisar os submarinos alemães próximos à baía. Imediatamente, o forte disparou contra os intrusos com apoio do Forte de Copacabana. Após alguns minutos de fogo intenso, verificou-se que os submarinos eram na verdade baleias que felizmente conseguiram escapar ilesos. Naquela época, o Brasil não possuía tecnologia de radar ou sonar e, embora os fortes estivessem fortemente armados, eles não conseguiam identificar com precisão os objetos no mar.

O Leme Fort foi aberto ao público em 2010. Atualmente, serve como um memorial para Caxias e possui galerias com exposições permanentes da história do forte, uma sala de vídeo para exposições de animação e espaço para exposições temporárias. A única maneira de chegar ao forte é através de uma caminhada fácil de 15 a 25 minutos que oferece uma vista maravilhosa de Copacabana. O forte está aberto de terça a domingo.

Forte do Leme, Leme, Rio de Janeiro