Angelique Kidjo: De Rumba Congolesa Para Zouk Caribenha

La cantante Angelique Kidjo rindió tributo a Celia Cruz (Abril 2019).

Anonim

Angelique Kidjo, premiada com o Grammy, é uma cantora e compositora de renome internacional, cuja impressionante carreira se estende por duas décadas. O músico multi-talentoso e diverso dominou a face da música da África Ocidental, tornando-se um ícone contemporâneo, não só em seu país natal Benin, mas em todo o mundo.

DJIN DJIN: a frase onomatopéica não apenas corresponde ao som de um sino africano cumprimentando um novo dia; É também o título do álbum de Angelique Kidjo de 2007, que viu o artista ganhar o Grammy Award de Melhor Álbum de Música Contemporânea do Mundo. O elogio talvez tenha se tornado o ápice de uma carreira impressionante e próspera que durou mais de duas décadas. Nessa época, o cantor e compositor passou a dominar a face da música da África Ocidental, com uma variedade de influências musicais que vão do afro pop à rumba congolesa, do jazz ao caribenho Zouk. No entanto, enquanto o prêmio foi o culminar de muitos anos de trabalho duro e determinação, Kidjo não é um para descansar sobre os louros, e ela já lançou mais dois álbuns aclamados pela crítica; OYO (2010) e Spirit Rising (2012). Fluente em Fon, Francês, Yorùbá e Inglês, todos os quatro idiomas aparecem nas faixas.

Nascida em Cotonou, no Benim, o interesse de Kidjo pelas artes performáticas resultou em sua apresentação de dança e habilidades musicais no tradicional grupo de performance beninense de sua mãe. Criada em torno da música, ela foi inspirada por uma série de artistas, de James Brown a Carlos Santana, Miriam Makeba a Jimi Hendrix. Todas essas influências viriam a formar uma forte base musical para o cantor. Múltiplos sucessos musicais se seguiriam, desde sua interpretação de uma faixa de Miriam Makeba tocada na rádio nacional, até o embarque em uma turnê pela África Ocidental com o álbum de sucesso Pretty.

Uma mudança para Paris, em 1983, seria fundamental, pois as tensões políticas em curso no Benim, sem dúvida, teriam impedido suas aspirações musicais. Começando como uma cantora de apoio para várias bandas, era inevitável que Kidjo se tornasse um artista, em frente ao grupo euro-africano Pili Pili, de Jasper Van't Hof. Isso resultaria em Kidjo sendo contratado pela Island Records em 1991, e lançando seu single de estreia Logozo, que se tornou um sucesso internacional, chegando ao topo da parada da Billboard World Music americana.

Nunca com medo de trabalhar em vários gêneros, Kidjo colaborou com vários artistas de todo o mundo, desde o lendário guitarrista do rock / pop Carlos Santana em seu tradicional álbum inspirado em Beninoise em 1996, até os roqueiros aclamados pela crítica Vampire Weekend e multi-platinum. vendendo o artista Josh Groban no Spirit Rising, uma compilação dos maiores sucessos do Kidjo ao vivo. Muitas das canções de Kidjo foram apresentadas em filmes e programas de televisão bem amados, incluindo o clássico Ace Ventura: When Nature Calls, de Jim Carey, um episódio de Os Simpsons e a trilha sonora de The Lion King 2, da Disney.

A contribuição de Kidjo para a paisagem da música africana não passou despercebida, pois ela agraciou as páginas da prestigiada revista norte-americana Vanity Fair. A artista foi reconhecida por seu corpo de trabalho por Bono, seu editor-convidado convidado, vocalista e ativista do U2. Em comemoração ao 50º aniversário da independência africana, Kidjo, ao lado de Nelson Mandela, Youssou N'Dour e Wole Soyinka foram todos apresentados na lista de 50 ícones africanos da Revista Focus on Africa da BBC. Entre os muitos destaques da carreira de Kidjo, a apresentação no Concerto de Início oficial da Copa do Mundo da FIFA de 2010 se destacaria como uma das mais significativas, não apenas pela escala do torneio, mas também pela história que está sendo feita. Foi a primeira vez que a Copa do Mundo da FIFA foi realizada em um país africano e, portanto, foi motivo de comemoração em todo o continente. O show, realizado no Orlando Stadium, em Joanesburgo, contou com apresentações de pessoas como Black Eyed Peas, Shakira e Alicia Keys, e viu Kidjo tocar muitas de suas músicas, bem como um dueto com John Legend.

Enquanto ela abriu uma carreira ilustre dentro da indústria da música, Kidjo também foi conhecida por seu trabalho humanitário, utilizando seu perfil público para aumentar a conscientização sobre certas questões, como educação, Comércio Justo e os direitos das mulheres. Em 2002, tornou-se Embaixadora da Boa Vontade da UNICEF, cargo em que viajou pela África, incluindo Benin, sua terra natal, para fazer campanha sobre os benefícios da educação para os jovens. A crença de Kidjo de que todo mundo tem o direito de ser educado é uma idéia que ressoou com a cantora desde muito jovem, pois ela foi educada em uma época em que a educação para meninas era desaprovada. Isso levou à fundação da Fundação Batonga em 2006, que fornece às crianças de bolsas de estudo de baixa renda para a educação. A iniciativa está atualmente baseada em Benin, Camarões, Etiópia, Mali e Serra Leoa. A artista também fez campanha para outras organizações de caridade, incluindo Oxfam e Live Earth, e continua a fortalecer seu legado de boa vontade.